Eduardo Bolsonaro e a alegoria do homem louco

O professor Olavo de Carvalho certa vez, ao falar sobre os problemas do Brasil, fez uma alegoria interessante, mais ou menos nesses termos: se você vê um homem que está louco, falido e divorciado, e você quer ajudá-lo, qual dos três problemas você deverá resolver primeiro?

Não é difícil concluir que não adianta nada o sujeito ter todo seu patrimônio de volta ou reatar os laços com sua esposa se ele continua louco. O primeiro e mais urgente problema a ser resolvido é a recuperação de sua sanidade mental. No contexto em que isso foi dito, o professor alertava – como incansavelmente faz – sobre a necessidade de primeiro nos formarmos intelectual e espiritualmente para depois adquirir outros bens, seja como indivíduo, seja como nação.

O recente caso da possível ida de Eduardo Bolsonaro a Washington como embaixador e a ponderação entre essa alternativa e sua permanência no Brasil para tocar a recém protocolada CPI do Foro de São Paulo permite a aplicação analógica dessa alegoria, e pode nos ajudar a compreender melhor a nossa situação atual e, com isso, a projetar melhor nosso futuro.

Provavelmente quem me lê já está por dentro de todas as opiniões e divergências que se estabeleceram sobre esse assunto. Minha intenção não é analisar minudentemente todas elas, mas sim, apenas dar minha contribuição com uma breve reflexão. Estamos vivendo em um novo governo, e não apenas um novo representante de uma velha política como acontecia no “ping-pong” entre PT e PSDB. Bolsonaro e sua equipe estão, de fato, inaugurando novos paradigmas políticos no Brasil. Algo realmente inédito em muitos aspectos. E o pior erro que podemos cometer é aceitarmos o clima de “já ganhou” que, por vezes, a torcida (eleitores influentes em redes sociais, alguns jornalistas independentes – formadores de opinião de modo geral) adota.

Apesar de não ser uma decisão fácil para Eduardo Bolsonaro, a escolha é simples, e envolve tão somente a eleição de prioridades. E isso aparece exatamente nas opiniões divergentes sobre o tema, mas não no que se alega como benefício hipotético, mas em como cada “grupo” enxerga o que para eles está em segundo lugar na escala de importância. Explico: quem acha que o deputado deve se tornar embaixador, geralmente diz algo como “Eduardo pode deixar seu suplente cuidando disso, e com certeza será um trabalho bem feito”. Por outro lado, quem acha que ele deve ficar e tocar a CPI afirma: “com certeza temos alguém tão capacitado quanto ele para cuidar das relações Brasil-EUA”. Ou seja, um grupo acha que Eduardo seria insubstituível aqui, comandando a CPI, o outro grupo acha que ele seria insubstituível lá em Washington. Como resolver esse impasse?

Eu me filio ao grupo que entende que o deputado deve ficar. E o motivo está lá naquela ilustração que reproduzi no início do artigo. O Brasil pode ter virado a chave, pode ter dado uma ginada à direita, e de fato isso ocorreu. Uma pessoa como o Eduardo Bolsonaro como embaixador, atendendo a um pedido expresso de Donald Trump (como se ventila por aí), seria realmente fantástico para nossa economia, um acontecimento histórico.

Mas nós ainda não extirpamos nosso maior mal, que é a articulação estratégica organiza de partidos de esquerda latino americanos juntamente com organizações narco-terroristas, que atende pelo nome de Foro de São Paulo. E isso é pra ontem!

Aprendamos com a história: de nada adianta um país enriquecer se ele deixar vivo e forte um movimento sabotador, golpista e assassino como o Foro de São Paulo é. Se o Brasil enriquecer com as novas relações com os EUA isso não vai impedir o ressurgimento (e o muito possível sucesso) de um movimento totalitário comandado pelo PT ou por outro partido de esquerda. Pelo contrário: a prosperidade econômica pode muito bem ajudar esse movimento, afinal, não se tem movimento político sem dinheiro.

Somos um país louco, falido e divorciado de nossa herança cristã e conservadora. Não podemos ser ingênuos e/ou afobados e acreditar que conseguiremos resolver os dois últimos problemas primeiro e deixar que essa doença revolucionária continue atuando em nosso corpo, e achar que isso não vai atrapalhar todo o resto. Não vai dar certo.

Já Conhece o Meu Clube Conservador?

Assine o Kit Virtual do Meu Clube Conservador por apenas R$ 29 mensais e tenha acesso a cursos online com emissão de certificado, eBooks e palestras.

As posições expressas em artigos por nossos colunistas, revelam, a priori, as suas próprias crenças e opiniões; e não necessariamente as opiniões e crenças do Burke Instituto Conservador. Para conhecer as nossas opiniões se atente aos editoriais e vídeos institucionais

Igor Moreira Celestino

Igor Moreira Celestino

Professor de Direito Administrativo para concursos. Palestrante. Graduado em Direito pela UFRRJ. Servidor Público Federal.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Comentários

Relacionados