Parabéns, Felipe!

Desde o início do ano, quando vi Felipe Moura Brasil (FMB) chamando Gustavo Bebianno para uma entrevista que mais serviu como bancada de defesa do advogado perante a opinião pública, eu percebi que havia “algo de podre no reino da dinamarca”. Não era normal a reação truculenta com que FMB tentava, ridiculamente, “provar” que sua versão estava certa. Há momentos em que a vaidade ultrapassa seus próprios limites e dá sinais de algo maior, mais profundo e mais perverso.

A mesma coisa com a burrice e os erros de interpretação. Ou será mesmo que toda essa narrativa de “blogueiros de crachá”, “gabinete do ódio” etc., foi causada por uma equivocada, porém honesta, interpretação dos fatos? Quando o professor Olavo publicou o vídeo dizendo da necessidade de se criar uma militância pró governo (e logo em seguida fez um outro vídeo didaticamente intitulado “desenhando a explicação”), houve ali alguma novidade? Eu não acompanho o professor a tanto tempo, mas já não é a primeira nem a centésima vez que o ouço dando esse conselho à direita brasileira. Desde os idos de True Outspeak, o vô (apelido que eu e meus irmãos usamos para nos referir a ele) fala disso, dando o mesmíssimo conselho. Quando o presidente venceu as eleições, de novo: “eleger um presidente conservador sem uma militância conservadora organizada, sem uma mídia conservadora etc., é jogar o cara aos leões”.

Então, sinceramente, qual foi o choque que fez o FMB começar a perseguição aos apoiadores do governo, ao Terça Livre, à galera da vaporwave, etc? Tudo bem, você pode discordar do cadastramento proposto pelo Allan dos Santos, como o próprio Olavo discordou. Mas, muito além da mera discordância, o que o diretor de jornalismo da Jovem Pan fez foi aproveitar a chance para iniciar uma verdadeira caça às bruxas. Desde então, só cresceu a narrativa de que havia um centro coordenado (e pago) de difamação, com o objetivo de assassinar reputações. O que antes eram os “robôs do bolsonaro”, agora são os MAV’s.

Já Conhece o Meu Clube Conservador?

Assine o Kit Virtual do Meu Clube Conservador por apenas R$ 29 mensais e tenha acesso a cursos online com emissão de certificado, eBooks e palestras.

E não se trata apenas de uma chateação que uns adolescentes estão passando no Twitter. O que se reivindica é a exclusividade da informação. Quem são esses pirralhos para achar que podem chegar na internet e fazer um trabalho melhor que o meu, com mais alcance do que eu e ainda tirar uma onda com a minha cara com esses memes que eu não entendo? Essa é a primeira porrada de uma guerra que pelo monopólio da informação.

FMB agora não é mais aquele cara que fazia seus vídeos de forma caseira, com edição simples e textos bem escritos. Não é mais o cara que fez a (excelente, diga-se de passagem) paródia de águas de março com a chinchilla produções. Agora ele é a grande mídia. E não foi lá para “ser um dos nossos” lá dentro. Não por acaso, dias depois de fazer sua ode à Bebianno, ele ganhou o cargo de Diretor de Jornalismo da Jovem Pan.

O mais impressionante é a mentira na qual se opera toda essa campanha: todos os que reclamam da perseguição da militância organizada imaginária são – todos eles – funcionários de grandes veículos de mídia, gravando seus vídeos em estúdio próprio, com edição profissional e tudo mais. Mas eles são os anjos, os santos perseguidos. O capeta mesmo é o Loen e o Hiram, do Ninguém se Importa Podcast (quem não conhecer, conheça); é o Leitadas do Loen (segundo o FMB, o “fiel escudeiro” do Loen) que nem endereço tem (quem já morou numa favela do Rio entende)! É demoníaco.

Não lembro de quem ouvi essa frase, mas ela é totalmente verdadeira: você pode se reconfortar pensando “ah, mas esses caras pegam pesado mesmo”, como se a sua suposta temperança fosse uma proteção confiável. Não é. Hoje são os “malucos do Twitter”. Amanhã, o novo maluco é você, que discordou de um a qualquer que a grande mídia publicou, e teve a audácia de publicar sua discordância.

Agora me permitam um desabafo: eu fico muito triste, mas muito triste mesmo por ver um cara como o FMB fazendo esse papel de Judas Iscariotes. O cara é aluno do Olavo, aquele que disse que tinha vindo “pra foder com tudo”. O cara organizou os artigos que formaram O Mínimo que Você Precisa Saber para Não Ser um Idiota, um dos maiores best sellers do mercado editorial brasileiro. Muita gente sugere que ele não “virou a casaca”, que ele sempre foi assim, e só agora estamos sabendo. Eu não tenho capacidade de julgá-lo nessa profundidade. O que eu julgo são suas atitudes concretas.

Concretamente, agora está aberta a CPMI das Fake News, para a qual foi convocado Filipe G. Martins para depor. Convocação feita por ninguém menos que Rui Falcão, ex-presidente nacional do PT. Não é irônico? O cara que, na Veja, era praticamente uma voz solitária contra os absurdos petistas, serve de bandeja o fundamento para a convocação de seu colega de sala (Filipe Martins também é aluno do Olavo) para uma autoritária Comissão Parlamentar Inquérito.

E tomando por base os ensinamentos do próprio Olavo, pouco me importa as supostas boas intenções de ele, ou qualquer um possa ter. E nem vou apelar ao batido “de boa intenção o inferno está cheio”. Mas, nas palavras do professor, que boa intenção pode ter alguém que não está comprometido com a busca da verdade? Quem julga as intenções é Deus. Nesse mundo, em nosso tempo, o que vale são as ações concretas e seus concretos desdobramentos. E a consequência da fofoquinha travestida de reportagem do FMB foi essa: um petista convocando um assessor de assuntos internacionais para responder se é verdade que ele paga uma galerinha adolescente para falar mal dos outros e fazer memes no Twitter.

Parabéns, Felipe. Espero que faça bom proveito das trinta moedas de prata.

Reunimos 12 professores notáveis para denunciar e desmascarar os movimentos globalistas que vêm colocando em prática toda a sua agenda no Brasil com pautas como aborto, desencarceramento, legalização das drogas, doutrinação escolar e desarmamento civil, passando é claro, pela chancela de nosso ordenamento jurídico.

Entre nosso corpo docente estão presentes nomes como Bernardo Küster, Miguel Nagib, Ludmila Lins, Diego Pessi e Leonardo Giardin.

Adquira já o Módulo com os 12 cursos com apenas R$ 997,00!

As posições expressas em artigos por nossos colunistas, revelam, a priori, as suas próprias crenças e opiniões; e não necessariamente as opiniões e crenças do Burke Instituto Conservador. Para conhecer as nossas opiniões se atente aos editoriais e vídeos institucionais

Igor Moreira Celestino

Igor Moreira Celestino

Professor de Direito Administrativo para concursos. Palestrante. Graduado em Direito pela UFRRJ. Servidor Público Federal.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Comentários

Relacionados