Imagem: Reprodução

A glamourização do crime, confetes para o asco

No último dia 05/03 o Presidente Bolsonaro publicou em sua conta pessoal, no Twitter, um vídeo onde dois homossexuais cometem atos libidinosos, durante o dia, em via pública, em frente a centenas de pessoas. Fora o debate já desgastado e masturbatório sobre se Bolsonaro devia ou não postar o vídeo, se sua conta é governamental ou pessoal, entre outras coisas debatidas nesses níveis; parece-nos que poucas pessoas se atentaram — levianamente não se atentaram — ao ato criminoso da dupla. Segundo o Código Penal brasileiro, no artigo 233, diz:  “Praticar ato obsceno em lugar público, ou aberto ou exposto ao público: Pena – detenção, de três meses a um ano, ou multa”. Um Decreto Lei nº 2.848 de 07 de Dezembro de 1940.

A mídia e a classe opinadora do país estão espancando o outdoor que revela o crime, mas abonando o crime em si; estão quase censurando a revolta do afegão médio contra a libertinagem. Em uma nota antecipada a Folha de São Paulo, os dois jovens que proporcionaram as cenas expostas pelo Presidente no Twitter, disse que aquele ato “tratou-se de um ato político-artístico” e que era uma militância deliberada contra o conservadorismo. Ou seja, uma glamourização da bestialidade, um prato de cocô com chantily em cima; a arte não se confunde com lixo público e obscenidades vomitadas em centenas de pessoas.

Da mesma forma que as palavras fogem ao termos que explicar que duendes não existem, as palavras são escassas quando tentamos explicar o porquê que mostrar o ânus em público e urinar na cabeça de outra pessoa — também em público — não é arte, mas tão somente o barbarismo apresentado como prato principal de uma nação que cada vez mais se aconchega feliz no chiqueiro da realidade.

A incontinência ideológica está transformando jovens em verdadeiros loucos; são pessoas que não conseguem mais viver em sociedade, julgam seus atos mais primitivos e banais como sendo um direito inalienável. É preciso reafirmar hoje que você não pode cutucar o ânus em público — em cima de um ponto de taxi? A “performance” que envolveu colocar o dedo no ânus, urina na cabeça e defecar em via pública; é o resto morto, a sobra do cancro cultural progressista que começou na Revolução Francesa onde a vontade da turba estava acima do bom senso.

Os “artistas” do ato — que não querem se identificar — sobem nas costas de uma realidade que existe somente nas circunferências de seus umbigos, julgam que a sociedade deve se curvar aos seus astronômicos quereres; acreditam ainda que a mostra de ânus, golden shower e defecação em via pública são seus direitos humanos inalienáveis, assim como a audiência geral da população é um dever inconteste. Julgam que o espanto estampado nas faces da população média, revela tão somente um conservadorismo fascista de seus espectadores que não estão acostumados a ver ânus em cima de pontos de taxis. Jamais serão capazes de pensar que o errado nesse espetáculo de vadiagens são justamente eles, e não aqueles repudiam o ato. Novamente o ego estratosférico e a juventude moderna, um caso sério.

Sequer pularemos no solo do óbvio; óbvio que havia pessoas ali que repugnavam o ato, que achava aquilo tão arte quanto é arte um gato que limpa a própria bunda em cima do telhado. É crime o que os jovens empreendedores e inovadores na arte do asco cometeram em público, um crime fichado no Código Penal nacional; no entanto, não ouvimos nenhuma notícia de que o ato será sequer averiguado pelas forças policiais. Por quê? Afinal, até o impeachment de Bolsonaro já estão alçando.

O espírito degradado de uma classe, ou até mesmo de um povo, fica óbvio quando um ato desse desponta com vistas de normalidade. E calma, antes que comecem a disparar dardos venenosos dizendo que “ninguém considerou normal”, temos que entender que há várias formas de dar aval para um ato como esse, um deles é o silêncio; outro ainda é atacar aqueles que compartilharam o vídeo do ato obsceno, ao mesmo tempo que “esquece” o ato em si.

A pergunta que fica agora é a seguinte: ignoraremos o Código Penal e jogaremos confete para a bestialização?

Já Conhece o Meu Clube Conservador?

Assine o Kit Virtual do Meu Clube Conservador por apenas R$ 29 mensais e tenha acesso a cursos online com emissão de certificado, eBooks e palestras.

As posições expressas em artigos por nossos colunistas, revelam, a priori, as suas próprias crenças e opiniões; e não necessariamente as opiniões e crenças do Burke Instituto Conservador. Para conhecer as nossas opiniões se atente aos editoriais e vídeos institucionais

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Comentários

Relacionados