O DNA Totalitário da União Europeia: Entrevista com Vladimir Bukovsky

O recente alarmismo ambiental decorrente dos incêndios e queimadas na floresta amazônica, insuflado por figuras políticas deletérias como o presidente francês Emmanuel Macron, fez acender novamente o tema do globalismo, assunto para o qual miríades de brasileiros – especialmente os mais conservadores – começam, enfim, a despertar. Inevitavelmente, o globalismo, assim como a tão propalada Nova Ordem Mundial, atraem a atenção para uma de suas expressões políticas mais evidentes: o projeto burocrático, centralizador e supranacional da União Europeia.

Diante disto, o Burke Instituto Conservador logrou resgatar a entrevista1 concedida pelo famoso dissidente soviético Vladimir Bukovsky ao jornalista belga Paul Belien2, do blog conservador The Brussels Journal, em fevereiro de 2006, sobre os aspectos potencialmente totalitários de estruturas políticas como a da União Europeia. No diálogo, Bukovsky estabelece paralelos importantes entre o que ele já percebia estar se desenvolvendo na UE e a experiência pretérita de seu país, a União Soviética. Bukovsky deixa claro que a EU representa uma monstruosidade política cujo pesado edifício burocrático, ao colapsar (resultado que considera inescapável), produzirá insofrível dano ao mundo Ocidental.

Famoso preso político e dissidente russo, Bukovsky sofreu por 12 anos (1964 – 1976) nas prisões e clínicas psiquiátricas soviéticas, padecendo abusos de toda sorte por conta da “esquizofrenia” que lhe foi atribuída pelo establishment soviético. Após cumprir a sentença, o dissidente foi expulso de seu país, vindo a exilar-se na Grã-Bretanha. Ali, logrou retomar os seus estudos em biologia na Universidade de Cambridge e, em razão da notoriedade de suas críticas ao regime soviético e do subsequente governo Putin, obteve o status de patrono do UKIP (United Kingdom Independence Party). Em 1992, Bukovsky foi convidado pelo governo de Boris Yeltsin para testemunhar no processo em que se julgava os crimes cometidos pelo antigo regime russo. Na ocasião, obteve acesso a documentos ultrassecretos do governo soviético, sobre os quais ele se referirá nessa entrevista.

O Burke Instituto Conservador agradece ao The Brussels Journal pela gentil concessão dos direitos de publicação desse precioso texto histórico.

 

Paul Belien: Você é um famoso dissidente soviético que agora estabelece um paralelo entre a União Europeia e a União Soviética. Poderia nos explicar como isso acontece?

Vladimir Bukovsky: Refiro-me a certas estruturas ideológicas que têm sido instiladas; refiro-me a planos de uma inevitável expansão do controle e da obliteração de nações, que era o intento da União Soviética. Muitos ignoram isso, mas nós bem o sabemos, pois fomos criados na URSS, onde tínhamos de estudar a ideologia soviética na escola e na universidade. O propósito último desse regime era criar uma nova entidade histórica, o povo soviético, que se espalharia pelo globo. O mesmo acontece hoje com a UE. Eles almejam criar um novo grupo de indivíduos os quais chamam “europeus”, seja lá o que isso quer dizer.

De acordo com a doutrina comunista, assim como muitas outras formas de pensamento socialista, o Estado e as nações-estado devem ser desfeitos. Na Rússia, entretanto, ocorreu justamente o contrário. Longe de minguar, o Estado soviético tornou-se um ente assaz poderoso. Por outro lado, as nacionalidades foram obliteradas. Assim, quando o regime soviético colapsou, o sentimento de identidade nacional que havia sido sufocado ressurgiu com força e quase destruiu o país. Foi algo realmente estarrecedor.

 

PB: Você acredita que o mesmo pode ocorrer quando a UE colapsar?

VB: Com certeza. É como apertar uma mola. A psiquê humana é muito resiliente. Você pode colocar pressão e mais pressão sobre ela. Mas não se esqueça de que ela ainda tem um poder acumulativo de reação. Tal qual a mola, ela tem sempre a capacidade de reagir com força.

 

PB: Mas todos esses países que se uniram à UE fizeram-no de forma voluntária.

VB: Não, não o fizeram. Veja, por exemplo a Dinamarca, que votou duas vezes contrariamente ao Tratado de Maastricht3. Veja, a seguir, o caso da Irlanda [que votou contra o Tratado de Nice4]. Veja o que tem acontecido com vários outros países, os quais enfrentam enorme pressão. É como uma chantagem. A Suíça foi forçada a votar por cinco vezes em um referendo. Nas cinco ocasiões, o referendo foi rejeitado. Quem sabe o que ocorrerá numa sexta ou sétima vez? É sempre assim, é uma artimanha para pegar idiotas. As pessoas têm de votar em [repetidos] referendos até que acatem aquilo que se deseja. Só assim cessa-se a votação. Por que parar, então? Siga-se, pois, a votando [até que se alcance o objetivo desejado]. A UE é o que os americanos chamariam de shotgun marriage [NT: um tipo de casamento compulsório que visava evitar o constrangimento de uma gravidez pré-marital indesejada].

Reunimos 12 professores notáveis para denunciar e desmascarar os movimentos globalistas que vêm colocando em prática toda a sua agenda no Brasil com pautas como aborto, desencarceramento, legalização das drogas, doutrinação escolar e desarmamento civil, passando é claro, pela chancela de nosso ordenamento jurídico.

Entre nosso corpo docente estão presentes nomes como Bernardo Küster, Miguel Nagib, Ludmila Lins, Diego Pessi e Leonardo Giardin.

Adquira já o Módulo com os 12 cursos com apenas R$ 997,00!

PB: O que você acha que a juventude devia fazer com respeito à UE? Os jovens deviam insistir em democratizá-la ou simplesmente aboli-la?

VB: Creio que a UE, assim com a União Soviética, não pode ser democratizada. Gorbachev tentou democratizar a URSS e falhou. Este tipo de estrutura não pode ser democratizado.

 

PB: Mas temos o Parlamento Europeu que é escolhido pelo povo…

VB: O Parlamento Europeu5 é eleito com base na representação proporcional, que não constitui uma verdadeira representação. Ademais, o que se vota ali? Vota-se pautas como o percentual de gordura no iogurte… isso é ridículo! É o mesmo tipo de encargo dado ao Soviete Supremo6. O parlamentar [da UE] discursa, em média, seis minutos ao ano na câmara. Isso não é um parlamento de verdade.

Em 1992, obtive acesso inédito a alguns documentos secretos do Politburo7 e do Comitê Central8 [da URSS], arquivos estes que eram sigilosos (e ainda o são, decorridos 30 anos). Tais documentos provam que o plano de se transformar o Mercado Comum Europeu em um Estado federal havia sido acordado entre Moscou e os partidos de esquerda europeus, seguindo um projeto comum que Gorbatchev chamou em 1988-1989 de “nossa casa comum europeia”.

O plano era bem simples. Ele começou entre 1985 e 1986, quando os comunistas italianos visitaram Gorbatchev, seguidos pelos sociais-democratas alemães. Reclamavam eles que as mudanças ocorridas no mundo – notadamente após [a PM britânica Margareth] Thatcher introduzir as privatizações e o liberalismo econômico – ameaçavam varrer as conquistas (tal como eles as entendiam) de gerações de socialistas e sociais-democratas, revertendo por inteiro o processo. Destarte, a única forma de resistir a esse ataque de capitalismo selvagem (como eles o chamavam) era tentar implementar os mesmos objetivos socialistas em todos os países [europeus] ao mesmo tempo. Até então, esses partidos de esquerda e a União Soviética haviam se oposto à integração europeia justamente porque viam nela um mecanismo de bloqueio aos seus objetivos socialistas. A partir de 1985, eles mudaram completamente a sua percepção. Os soviéticos concluíram – e assim acordaram com os partidos de esquerda europeus – que, se eles trabalhassem em conjunto, poderiam sequestrar o projeto europeu, transtornando-o por completo. Ao contrário de um mercado comum, eles o transformariam em um Estado federal.

De acordo com os tais documentos [secretos soviéticos], 1985 foi o ano da virada. Publiquei a maior parte desses textos. Você pode acessá-los pela internet9. Com efeito, aquelas conversações foram de saltar aos olhos. Pela primeira vez, percebeu-se que houve uma conspiração, algo perfeitamente plausível, já que estava sendo realizado por aqueles que tentavam, de modo escuso, salvar os seus projetos políticos. No Leste, os soviéticos precisavam de uma mudança nas relações com a Europa [Ocidental] posto que estavam ingressando em um período prolongado de crise estrutural. No Ocidente, os partidos de esquerda, perdendo sua influência e prestígio, temiam ser varridos do mapa. Tratou-se, portanto, de uma conspiração engendrada por estes atores de forma razoavelmente aberta e consensual.

Em janeiro de 1989, por exemplo, uma delegação da Comissão Trilateral10 veio encontrar-se com [Mikhail] Gorbachev. Ela incluía [o então premier japonês Yashiro] Kakasone, [o ex-presidente francês Valéry] Giscard d’Estaing, [o banqueiro americano David] Rockefeller e [o ex-secretário de Estado americano Henry] Kissinger. Travaram uma ótima conversa na qual se buscou explicar a Gorbachev que a Rússia soviética devia se integrar às instituições financeiras mundiais, tais como o GATT11, o FMI12 e o Banco Mundial13. Subitamente, no meio da interação, eis que Giscard d’Estaing se levanta e diz: “Senhor presidente, não tenho como detalhar exatamente quando isso irá acontecer – provavelmente dentro de uns 15 anos – , mas a Europa está para tornar-se um Estado federal e o senhor precisa se preparar para isso, acordando conosco e com os demais líderes europeus como irá reagir a essa situação e como permitirá que os países do Leste europeu interajam com ela ou se tornem parte dela. O senhor precisa estar preparado.”

Isto ocorreu em janeiro de 1989, quando o Tratado de Maastricht [1992] não havia sequer sido rascunhado. Como diabos Giscard d’Estaing podia saber o que iria acontecer dali a 15 anos? E mais surpreendente ainda: como ele veio a se tornar o autor da Constituição Europeia14? Eis aí uma boa questão. Cheira a conspiração, não?

Para a nossa sorte, a parte soviética desse conluio colapsou antes dele acontecer, não se chegando ao ponto em que Moscou poderia ter influenciado o curso desses acontecimentos. Entretanto, a ideia original era obter o que chamavam de uma convergência na qual a [estrutura política da] União Soviética se suavizaria, tornando-se algo como uma social-democracia, ao mesmo tempo em que a Europa Ocidental se tornaria mais social-democrata e socialista. Assim, haveria uma convergência [política] e as estruturas se ajustariam. Eis porque a estrutura da União Europeia foi construída inicialmente com o propósito de se encaixar na soviética. Eis porque [ambos projetos políticos] são tão semelhantes no funcionamento e nas estruturas.

Não é por acaso que o Parlamento Europeu, por exemplo, faz-me lembrar o Soviet Supremo. Ele me remete ao Soviet Supremo porque foi projetado para ser tal como ele. Do mesmo modo, ao observar a Comissão Europeia15, vejo como ela se assemelha ao Politburo. Quero dizer, ambos se parecem muito, exceto pelo fato de que a Comissão Europeia tem agora 25 membros [em 2006] e o Politburo geralmente contava com 13 ou 15 componentes. Fora isto, são exatamente iguais: não prestam contas a ninguém e tampouco são diretamente eleitos por quem quer que seja. Quando vejo toda essa bizarra atividade [de controle] da União Europeia, com as suas 80 mil páginas de regulações, isto me lembra muito o Gosplan16. Tínhamos um órgão [de Estado] que planejava tudo na economia com cinco anos de antecedência, até a [produção da] última porca e [do] último parafuso. Isto é exatamente o que está a ocorrer na UE. Quando se vê o tipo de corrupção presente nela, percebe-se que é semelhante àquela que havia na União Soviética, uma corrupção que parte do topo da estrutura para baixo e não de baixo para cima.

Se você analisar a estrutura e os aspectos gerais desse emergente monstro europeu, verá que ele se parece mais e mais com a URSS. Naturalmente, trata-se de uma versão mais suave dela. Por favor, não me entenda mal. Não estou a dizer que a UE possui Gulags. De fato, não há uma KGB17 (pelo menos, não ainda). Porém, tenho observado cuidadosamente algumas instituições [da UE] como, por exemplo, a Europol18. Isto me preocupa muito, pois essa organização provavelmente terá poderes maiores que o da própria KGB. Ela contará com imunidade diplomática. Você pode imaginar um tipo de KGB com imunidade diplomática? Ela poderá nos policiar em 32 tipos diferentes de crimes, dois dos quais são particularmente preocupantes: o racismo e a xenofobia. Nenhuma corte no mundo define como crime coisas assim [NT: na época, o sistema legal belga já possuía leis sobre tais temas]. Portanto, temos aí um novo tipo de crime. Fomos alertados por alguém de dentro do governo britânico que aquele que se opuser à imigração descontrolada proveniente do Terceiro Mundo será considerado racista e aquele que objetar uma integração europeia mais profunda, será tido como xenófobo. Se não me engano, foi Patricia Hewitt18 quem disso isso publicamente.

Portanto, já estamos avisados. Enquanto isso, eles continuam a progredir com essa ideologia. A União Soviética era um Estado controlado pela ideologia. No caso da UE, a ideologia é do tipo social-democrata e estatista, tendo também o politicamente correto como uma parte importante. Percebo como o politicamente correto se espalha e tem se tornado uma ideologia opressiva, sem mencionar o fato de que em nome dele se proíbe o tabaco em praticamente qualquer lugar. Veja a perseguição [religiosa] de indivíduos como o pastor sueco que foi processado por vários meses por ter dito que a Bíblia não aprova o homossexualismo. A França votou uma lei semelhante sobre o discurso de ódio em relação aos gays. A Grã-Bretanha está aprovando leis sobre discurso de ódio, racismo, pregação religiosa e assim por diante. O que se vê, olhando em perspectiva, é a sistemática introdução de uma ideologia que poderá ser, mais adiante, imposta por meios autoritários. Pelo que parece, esse é justamente o propósito da Europol16. Do contrário, por que precisaríamos dela? Esta Europol parece-me muito suspeita. Tenho acompanhado aqueles que têm sido perseguidos, a natureza dessa perseguição e o que tem ocorrido com eles, já que este é um assunto no qual sou expert. Bem sei como os Gulags surgiram.

Parece-me que estamos vivendo um período de rápido, sistemático e mui consistente desmantelamento da democracia. Veja, por exemplo, a tal Lei de Reforma Legislativa19. Ela transforma ministros em legisladores, dando-lhes poder de introduzir novas leis sem que se reportem ao parlamento ou a quem quer que seja. Minha reação inicial foi dizer “por que precisamos disso?”. O Reino Unido sobreviveu a duas guerras mundiais, as guerras napoleônicas e a Armada Espanhola – fora a Guerra Fria – sem precisar implementar esse tipo de legislação e sem ter de suspender as liberdades civis ou introduzir poderes emergenciais. Por que precisaríamos de algo assim justamente agora? Esse tipo de coisa pode produzir uma ditadura instantânea no país.

A situação atual é realmente sombria. Os maiores partidos políticos [europeus] foram completamente tomados por esse novo projeto da UE. Nenhum deles, de fato, faz oposição à UE. Tornaram-se deveras corruptos. Diante disso, quem defenderá as nossas liberdades? Parece que estamos rumando para algum tipo de colapso, alguma sorte de crise. O desfecho mais provável é que haverá uma derrocada econômica na Europa, a qual está destinada a acontecer em função da dívida crescente e das taxações. A inabilidade de se criar uma atmosfera competitiva, a regulamentação excessiva da economia e a densa burocracia levarão a economia à insolvência. A introdução do Euro foi uma ideia particularmente insana, pois uma moeda não devia ser algo puramente político.

Não tenho dúvidas: haverá um colapso na UE muito semelhante àquele ocorrido na URSS. Porém, não nos esqueçamos de que, quando uma ruína assim acontece, ela produz tal devastação que será necessária uma geração inteira para a recuperação. Pense no que acontecerá se atingirmos uma crise econômica. As nações se oporão duramente umas às outras, talvez ao ponto de um confronto. Veja o número gigantesco de imigrantes de países do Terceiro Mundo que vive na Europa. Isto foi promovido pela UE. O que acontecerá com eles em caso de um colapso econômico? Teremos provavelmente – tal como ocorreu no período final da URSS – tantos conflitos étnicos que não é bom nem pensar. Em nenhum outro país do mundo houve tanto conflito étnico como na União Soviética (excetuada, talvez, a Iugoslávia). Temos de estar preparados para isso. Este imenso edifício burocrático irá ruir sobre as nossas cabeças.

Por isso, digo e o faço com muita franqueza: quanto mais cedo dermos cabo da UE, tanto melhor. Quando mais cedo ela colapsar, menor será o dano para nós [europeus] e para os demais países. Mas precisamos agir rápido, pois os eurocratas não perdem tempo. Vencê-los será muito difícil. Hoje [em 2006], ainda é algo simples. Se um milhão de pessoas saírem às ruas de Bruxelas hoje, esses burocratas vão se mandar para as Bahamas. Se, amanhã, metade da população britânica se recusar a pagar seus impostos, nada acontecerá a ela e ninguém será preso. Hoje, ainda é possível fazer isso. Contudo, não sei como a situação estará amanhã. Com a Europol lotada de ex-agentes da Stasi20 e da Secutirate21 em seus quadros, tudo pode acontecer.

Estamos perdendo muito tempo. Precisamos derrotá-los. Precisamos sentar e planejar uma estratégia que envolva um caminho mais curto e que produza o máximo de resultados. Caso contrário, será tarde demais. Enfim, o que posso dizer? Minha conclusão não é otimista. Até agora, apesar de contarmos com algumas forças contrárias à UE em quase todos os países [europeus], isso não é o bastante. Estamos perdendo um tempo precioso e sendo derrotados.

Texto e tradução: Aramis DeBarros

 

Notas:

  1. Acesse o texto original do The Brussels Journal em https://www.brusselsjournal.com/node/865
  2. Paul Belien: Jornalista belga nascido em 1959, fundador do The Brussels Journal. Graduado em Direito, com especialização em Lei de Seguridade Social e Direito Europeu, Belien é membro da Mont Pelerin Society, da Property and Freedom Society e do Hudson Institute, além de ser autor de diversos livros, ensaios e artigos sobre o tema do conservadorismo europeu.
  3. Tratado de Maastricht: Formalmente conhecido como Tratado da União Europeia. Foi assinado pelos membros da então Comunidade Europeia em 7 de fevereiro de 1992, na cidade holandesa de Maastricht. Criou as metas de livre circulação de produtos, cidadãos, serviços e capital na UE e iniciou o processo para a união monetária dos Estados-membros. O Tratado de Maastricht atribuiu aos cidadãos dos Estados-membros o status de cidadão europeu.
  4. Tratado de Nice: Assinado em 26 de fevereiro de 2000, em Nice, na França. Entrou em vigor em 1 de fevereiro de 2003. Seu objetivo foi abrir caminho para a adesão dos países do Leste e Sul europeus à UE.
  5. Parlamento Europeu: Órgão legislativo da UE. Composto por 751 eurodeputados (eleitos por cidadãos europeus a cada cinco anos) que se reúnem nas sedes de Bruxelas, na Bélgica e em Estrasburgo, na França. O atual presidente é o socialista italiano David Sassoli, eleito de 03/07/2019.
  6. Soviete Supremo: Mais alta instância do poder legislativo da antiga URSS. Operou entre 1936 e 1988. Era a única instância capaz de passar emendas constitucionais. Seu líder era o chefe de Estado da URSS e da suprema corte soviética. Estava dividido em duas câmaras eleitas para mandatos de quatro anos: o Soviete da União e o Soviete das Nacionalidades.
  7. Politburo: Ou Comitê Central do Partido Comunista da União Soviética. Foi a instância máxima de governo do Partido Comunista nos períodos intercongressuais. Era formado pelos principais membros do Comitê Central. Seu poder de controle sobre o partido e o Estado era quase absoluto.
  8. Comitê Central: Ou Comitê Central do Partido Comunista da União Soviética: Foi o mais alto corpo dirigente do PC da URSS. Seus membros eram eleitos a cada cinco anos no congresso do partido.
  9. http://psi.ece.jhu.edu/kaplan1/IRUSS/BUK/GBARC/buk.html
  10. Comissão Trilateral (Trilateral Commission): Think Tank globalista iniciado em 1973 por iniciativa de David Rockeffeler e Zbiniew Brzezinski, com o objetivo declarado de fundar uma “nova ordem econômica internacional” e erodir progressivamente o poder dos Estados-nação. Compreende as elites mais influentes da América do Norte, Europa e Japão. É uma das maiores forças de liderança do movimento globalista.
  11. GATT: General Agreement on Tariffs and Trade ou Acordo Geral Sobre Tarifas e Comércio. Acordo internacional estabelecido em 1947 visando diminuir ou remover as barreiras comerciais entre os países signatários. Foi sucedido, em 1994, pela Organização Mundial do Comércio (OMC).
  12. FMI: Fundo Monetário Internacional. Organização financeira globalista fundada em 1944, como resultado da conferência das Nações Unidas em Bretton Woods, New Hampshire. Integra o chamado Bretton Woods System, que inclui também o Banco Mundial e a Organização Mundial do Comércio.
  13. Banco Mundial: Organização financeira irmanada ao FMI, fundada em 1944, como resultado da conferência das Nações Unidas em Bretton Woods, New Hampshire. Seu objetivo expresso é dar assistência financeira aos países em desenvolvimento. Encontra-se hoje sob grande influência dos poderosos da Comissão Trilateral. Seu nome original era International Bank for Reconstruction and Development (IBRD), vindo a se chamar Banco Mundial apenas em 1975.
  14. Constituição Europeia: Refere-se ao Tratado Para a Constituição Europeia (TCE), assinado em 2004 por representantes de 25 países membros da UE. A rejeição do documento pelos eleitores franceses e holandeses, em 2005, frustrou a ratificação do documento. Foi substituído pelo Tratado de Lisboa, assinado em 2007 e operacionalizado em 2008.
  15. Comissão Europeia: Fundada em 1958, é o órgão executivo da EU responsável por aplicar as decisões do Parlamento Europeu e de propor legislação e programas de ação. Seus comissários são eleitos dentro de um sistema de rotação estabelecido por unanimidade pelo Conselho Europeu, o mesmo que propõe o nome de seu presidente, a ser confirmado pelo Parlamento Europeu.
  16. Gosplan: ou Comitê Central de Planejamento (Gossudarstvênnîi Komitet po Planirovâniu), criado em 1921. Termo popular dado ao comitê responsável pela política de economia planejada da URSS, cuja principal função era o estabelecimento de planos econômicos quinquenais.
  17. KGB: Ou Komitet Gosudarstvennoy Bezopasnosti (Comitê para a Segurança do Estado), principal agência de segurança estatal soviética de 1954 a 1991. Foi a sucessora direta de entidades similares como a Cheka, a NKGB, a NKVD e a MGB. Era uma agência de natureza militar, governada por leis e regulações militares. Suas principais ações eram: serviço de inteligência estrangeira, contraespionagem, operações investigativas e vigilância das fronteiras soviéticas.
  18. Europol: É o serviço europeu de polícia responsável pelo tratamento e intercâmbio de informação criminal. Sua missão principal é a aplicação das leis da UE no âmbito do combate ao crime organizado. Os crimes de racismo e xenofobia estão incluídos em suas áreas de ação.
  19. Patricia Hewitt (1948 – ): Parlamentar britânica ligada ao Partido Trabalhista, do qual chegou a ser chefe de gabinete. Durante o tempo em que esteve ligada ao National Council for Civil Liberties (NCCL), Hewitt advogou pela redução da idade do consentimento sexual para 10 anos e da abolição do crime de incesto. Entre fins dos anos 70 e início dos 80, período em que Hewitt foi secretária-geral da NCCL, a organização possuía conexões com a PIE (Paedophile Information Exchange), famosa entidade pró-pedofilia britânica.
  20. Legislative and Regulatory Reform Bill: Lei aprovada em 2006, em substituição ao Regulatory Reform Act, de 2001. A lei tem suscitado muitas críticas por facilitar as mudanças legislativas sem o escrutínio do parlamento britânico. Tem sido, por isso, chamada de “Lei da Abolição do Parlamento”.

Quer saber mais sobre feminismo?

Nesse curso a professora Ana Campagnolo fala com maestria sobre as ondas do feminismo, todo contexto histórico de suas lutas e ideais e como isso tudo é visto na ótica do conservadorismo. Curso exclusivo com 250 minutos de conteúdo e com direito a certificado por apenas R$ 119.

As posições expressas em artigos por nossos colunistas, revelam, a priori, as suas próprias crenças e opiniões; e não necessariamente as opiniões e crenças do Burke Instituto Conservador. Para conhecer as nossas opiniões se atente aos editoriais e vídeos institucionais

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Comentários

Relacionados