"Use máscara, salva, vidas"
Estado totalitário

Mística e Política: O diagnóstico de um problema

Como se sabe e se vê, atualmente, a política ocupa um lugar destacado na vida da sociedade ocidental. Há uma ideia de politização de tudo, desde a educação dada pelos pais aos seus filhos, passando pelo ensino nas escolas até a escolha daquilo que deve ou não ser uma ação afirmativa no campo das mais variadas crises, a exemplo das ações de combate ao novo coronavírus. Claro, isso não quer dizer que esse seja o modo certo de conduzir a vida e as coisas. Pelo contrário, nem tudo é poder, nem tudo se baseia pura e simplesmente em uma relação de poder.

Tal situação, da politização de tudo, tem provocado inúmeros prejuízos à saúde das relações em qualquer âmbito da sociedade. A chave da política tem sido utilizada para abrir forçosamente as portas de outras áreas da vida, arrombando-as e desconfigurando-as em seu estado natural, na tentativa de atender os anseios de transformação característicos de uma falsa ideia de progressismo a qualquer custo. Ao se pretender buscar a possível raiz desse problema, a contribuição do padre e professor Lima Vaz (1921-2002) na obra Experiência Mística e Filosofia na Tradição Ocidental, se apresenta como uma tentativa de esclarecer o porquê da sanha contemporânea pelos desejos irrefletidos de politização.

Lima Vaz, assim como outros grandes eruditos brasileiros, denunciou o seu tempo como um tempo de deterioração semântica, isto é, do desgaste e confusão acerca do uso e significado das palavras. Vários exemplos podem ser dados, dentre eles, o uso equivocado das palavras Tradição, Ética e Mística. A palavra Tradição normalmente é utilizada para se referir a algo ultrapassado; o uso da palavra Ética tem sido altamente subjetivado e relativizado; a palavra Mística tem sido banalizada dando ares de sobrenaturalidade a qualquer ação no mundo da vida.

Pois bem, o que a confusão acerca do uso das palavras tem a ver com o problema da politização de tudo? A resposta, conforme aponta Lima Vaz, pode ser encontrada na captação da mística pela política. Explico.

A experiência mística e a experiência política são experiências distintas. A primeira atua em um lugar além da razão, cujo objeto intencionado é o próprio Absoluto, a partir da transcendência, ou seja, da busca de algo que está para além das coisas e relações próprias da vivência mundana. Já a segunda, refere-se à vida em comunidade tornada possível pelo consenso racional, das leis livremente aceitas e dos direitos e deveres em que a comunidade se submete de forma isonômica. Logo se percebe que a experiência mística possui uma abertura ao Absoluto ao passo que a experiência política possui uma abertura para o Outro – o individuo pertencente à comunidade.

Aqui é possível propor o diagnóstico do problema apontado que acomete a sociedade ocidental, qual seja, da tentativa de ter por Absoluto determinadas facetas da existência que são transitórias e finitas. A política, neste caso, tem sido praticada visando transformar os aspectos de ordem material e contingente em objetos que visam à satisfação transcendente – características do humano – de apelo ao Absoluto.

A ideia de a mística estar a serviço da política praticamente transformou a política em religião. Eis a razão de alguns eruditos em todo o Ocidente escreverem e apontarem os problemas relativos à prática moderna das religiões políticas que, em muito, se deve à ideia de religião civil em Rousseau. Assim, a política, própria do fazer da pólis ou da cidade dos homens – em oposição à cidade de Deus – apoderou-se da mística para dar cabo à satisfação da necessidade humana de preenchimento do vazio existencial constitutivo de seu ser.

De forma intencional ou não, esta mistificação do fazer político levou muitos intelectuais a defender a politização de tudo como resposta ao anseio existencial e essencial que remete ao Absoluto. As poderosas energias psíquicas e espirituais do ser humano – da busca transcendente pelo Absoluto – foram equívoca e perigosamente desviadas para os desígnios de poder da prática política. A pseudosolução, portanto,para aquietar a alma humana angustiada foi desviada das mãos do próprio Criador para a sua criatura.

Diante disso, é fato inegável que o ser humano não pode viver sem Absoluto, seja ele verdadeiro, sejam os falsos, diria Santo Agostinho. Enquanto a sociedade pós-moderna se voltar para a mistificação da política ao intencioná-la como a única chave para a resolução dos dilemas humanos, infelizmente, ela ficará como um cão que, dia após dia, corre desnorteado atrás do próprio rabo em vão.

Aprenda sobre conservadorismo, direito, política, história, filosofia, cristianismo, economia e educação.

As posições expressas em artigos por nossos colunistas, revelam, a priori, as suas próprias crenças e opiniões; e não necessariamente as opiniões e crenças do Burke Instituto Conservador. Para conhecer as nossas opiniões se atente aos editoriais e vídeos institucionais

Jocinei Godoi

Jocinei Godoi

Mestrando em Ciências da Religião pela PUC-Campinas-SP. Formado em Teologia pelo Seminário Teológico Batista Independente de Campinas-SP e em Filosofia pela PUC-Campinas-SP

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Comentários

Relacionados