Um conto de fadas chamado socialismo

Com quantos pecados mortais se constrói uma utopia paradisíaca.

O socialismo já apanhou tanto da história, que inventariar os seus podres pode parecer chute em cachorro morto. O problema é que o fantasma do cachorro está vivo. E morde.

(O livro Politicamente Incorreto da Esquerda e do Socialismo – Kevin D. Williamson)

Imagine que você em meio a tantos problemas, desafios e conflitos se depara com alguém de te oferece a solução para cada um desses obstáculos a sua felicidade. Qual o preço que estaria disposto a pagar para ter a concretização de uma vida que antes era mero fruto da imaginação? A resposta que a sua mente deseja que seja expressa é simples: tudo. Quando as pessoas são ameaçadas de perder sua liberdade, elas instintivamente lutam para manter aquilo que julgam ser de mais precioso, porém se elas são convencidas de que a liberdade é um fardo, elas o ofereceriam de bom grado, especialmente se há uma recompensa.

Regimes totalitários possuem uma retórica sedutora, mas a aplicabilidade das ideias não gera uma utopia, mundo idílico, mas sim uma distopia. Igualdade existe na distopia através da anulação da individualidade em prol do coletivo, fraternidade é algo promovido contanto que todos convirjam ideologicamente, liberdade existe para legitimar e blindar discursos e ações violentas, preconceituosas e inquisitoriais de um grupo que advoga pra si o termo oprimido. Para o totalitarista, para se obter igualdade o mundo deve apagar as diferenças que tornam cada ser humano único. Como diria Milton Friedman: “A sociedade que coloca a igualdade à frente da liberdade irá terminar sem igualdade e liberdade” .

Olympe de Gouges, feminista francesa, que foi guilhotinada por ordem de Robespierre poderia falar do quão excludente e nociva é a ideia de mundo melhor proclamada pela esquerda…

 

Uma dose de realidade

A esquerda é totalitária. O escritor e psicólogo Jordan Peterson no seu debate com o filósofo, sociólogo e teórico crítico esloveno, Slavoj Žižek, pontuou na sua fala de abertura sobre a relação opressores x oprimidos como um modo sutil de colocar o dualismo o mal x o bem. Quando se rotula um grupo como opressor, privilegiado ou sem lugar de fala, estes últimos termos bem mais empregados pelos progressistas nas últimas décadas, a intenção é tornar tudo que esse grupo representa e defende como abominável enquanto que as ideias vindas dos “oprimidos” são colocadas como a verdade historicamente e socialmente negada pelos opressores, por conseguinte, essas ideias são as que devem ter voz e relevância no palco politico, social e cultural.

Como diria Roger Scruton no seu livro, pensadores da nova esquerda: “O intelectual de esquerda é tipicamente um jacobino. Acredita que o mundo é deficiente em sabedoria e justiça (grifo meu), e que a falha reside não na natureza humana, mas nos sistemas de poder estabelecidos.” Para o politicamente correto, a intelectualidade só é benéfica e legitima em indivíduos de linha marxista.

 

Politicamente correto

Através do politicamente correto a esquerda busca se blindar de qualquer questionamento, critica ou punição, através do cerceamento da liberdade alheia. A ideia aqui consiste em restringir as possibilidades de raciocínio, entendimento da realidade e visões distintas de mundo, em um intuito de obrigar uma convergência ideológica através, não só da violência e revisionismo histórico tendencioso, mas pela censura e criminalização de palavras utilizadas para exprimir ideias que se contrapõem as consideradas mais “cabíveis e corretas”. Como afirma o filosofo Luiz Felipe Pondé, no livro Guia politicamente incorreto da filosofia:

A praga PC usa métodos de coerção institucional e de assédio moral, visando calar todo mundo que discorda dela, antes de tudo, tentando fazer dessas pessoas monstros e, por fim, tentando inviabilizar o comércio livre de ideias. Ideias não são sempre coisas “boas”. Às vezes doem.

Ao final, a praga PC é apenas mais uma forma enraivecida de recusar a idade adulta e de aniquilar a inteligência

Como ser uma voz relevante, real e sólida diante de um palco tão adverso? Seja o melhor que você puder ser por você mesmo e pelos outros, agindo no decorrer dos dias como um real escritor e construtor da liberdade.

Se não eu por mim, quem por mim? Se eu for só por mim, quem sou eu? Se não for agora, quando?

Hilel, sábio judeu

Aprenda sobre conservadorismo, direito, política, história, filosofia, cristianismo, economia e educação.

As posições expressas em artigos por nossos colunistas, revelam, a priori, as suas próprias crenças e opiniões; e não necessariamente as opiniões e crenças do Burke Instituto Conservador. Para conhecer as nossas opiniões se atente aos editoriais e vídeos institucionais

Carlos Alberto Chaves P. Junior

Carlos Alberto Chaves P. Junior

Graduado pela Universidade Federal de Pernambuco ( UFPE) em letras desde o ano de 2008.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Comentários

Relacionados