Foto: FÁBIO MOTTA/ESTADÃO CONTEÚDO

A vida de um candidato vale menos?

O atentado contra a vida de qualquer pessoa é um delito gravíssimo, podendo, justamente por isso, alcançar a maior das penas máximas previstas em nosso Código Penal, isto é, trinta anos de reclusão (art. 121, § 2º). Atentar contra a vida de um candidato à Presidência República, em plena campanha eleitoral, pode ser tido como ainda mais reprovável, pois o bem jurídico afetado suplanta a própria vida da vítima e se projeta sobre a estruturação democrática da nação, atingindo a legítima opção de voto de cada um dos cidadãos. Portanto, natural se esperar que a punição para um caso assim seja mais grave. Mas, na prática, será que é?

Pouco conhecida, e menos ainda aplicada, a Lei de Segurança Nacional (Lei nº 7.170, de 14 de dezembro de 1983) foi amplamente divulgada a partir do atentado contra o candidato Jair Bolsonaro, no último dia 06 de setembro, em Juiz de Fora (MG). Foi em seu artigo 20 que o agressor confesso, Adélio Bispo de Oliveira, foi enquadrado, o que, a princípio e para o grande público, trouxe a ideia da extrema gravidade do fato e da rigidez com que será tratado no Poder Judiciário. Afinal, não foi um ato apenas contra a vida de Bolsonaro, foi contra a “segurança nacional”.

A redação do predito dispositivo não deixa dúvida sobre sua adequação à conduta do agressor, pois é ali que se reprime atentados pessoais por motivação política, como se pode extrair:

“Art. 20 – Devastar, saquear, extorquir, roubar, sequestrar, manter em cárcere privado, incendiar, depredar, provocar explosão, praticar atentado pessoal ou atos de terrorismo, por inconformismo político ou para obtenção de fundos destinados à manutenção de organizações políticas clandestinas ou subversivas”. (Destaques da transcrição)

Logo, não há como se dizer que tenha a autoridade policial federal responsável pelo inquérito agido de forma equivocada. O problema, entretanto, é que, neste específico e lamentável episódio, o enquadramento da conduta ofensiva na Lei de Segurança Nacional acaba sendo – pasme-se – mais benéfico ao agressor do que se o caso fosse tratado de forma comum.

Isso porque, de acordo com o próprio art. 20 da Lei de Segurança Nacional, a pena em tese para a prática de atentado pessoal por inconformismo político é de 03 (três) a 10 (dez) anos de reclusão, a qual, de acordo com o parágrafo único, primeira parte, do mesmo dispositivo, aumenta-se até o dobro em caso de lesão corporal grave, exatamente como ocorrido com Bolsonaro. Assim, a pena em abstrato para esse caso específico será de 06 (seis) a 20 (vinte) anos de reclusão.

Por outro lado, se o fato fosse enquadrado como um homicídio tentado, sob a égide do Código Penal Brasileiro (conduta a que igualmente se amolda), teríamos, de partida, uma pena de 12 (doze) a 30 (trinta) anos de reclusão, na forma do art. 121, § 2º, I, pois o mero inconformismo político seria clara hipótese de motivação torpe, atraindo a forma qualificada do crime. Por se cuidar de delito em sua forma tentada, o art. 14 do mesmo Código impõe a aplicação de um redutor para a pena, que pode ir de 1/3 (um terço) a 2/3 (dois terços), variando conforme tenha sido a completude da ação do agressor – o iter criminis –, em inversa relação de proporcionalidade a esta.

No caso sob análise, como o autor do fato praticou a integralidade da conduta, preparando e consumando sua ação agressiva, que só não resultou na morte do candidato por fatores alheios à sua vontade, teríamos o iter criminis completo, faltando apenas o desfecho morte, o que tornaria adequada a aplicação do redutor em sua fração mínima, ou seja, um terço. Com isso, a pena para este homicídio tentado se situaria entre 08 (oito) e 20 (vinte) anos, em detrimento dos 06 (seis) a 20 (vinte) anos previstos na Lei de Segurança Nacional.

Não há dúvida de que, pelo patamar máximo, as penas são equivalentes. Contudo, o sistema de cálculo da pena amplamente adotado no Brasil – com raras exceções – se firma a partir da pena-base fixada pelo mínimo legal, e quase nunca chega ao máximo, com o que o enquadramento do fato na lei específica, e não na Lei Penal comum, culmina, na prática, por favorecer o agressor, que terá sua pena-base (em caso de condenação) calculada a partir do piso de 06 (seis) anos, e não de 08 (oito), como ocorreria caso a vítima do ataque fosse qualquer outra pessoa, que não um candidato.

A variação seria ainda maior se a agressão tivesse resultado na morte da vítima, eis que, neste caso, a Lei de Segurança Nacional máxime autoriza triplicar a pena padrão, o que resultaria em um intervalo de 09 (nove) a 30 (trinta) anos, quando o homicídio qualificado consumado, como visto, tem pena mínima de 12 (doze) anos, indo até os mesmos 30 (trinta).

No caso concreto do atentado a Bolsonaro, ainda há de se considerar que o tratamento legal do mesmo fato de forma discrepante no Código Penal e na Lei de Segurança Nacional sequer se limita ao total da pena a ser imposta ao agressor, tendo, também, reflexos diretos no regime de seu cumprimento e nos requisitos para a respectiva progressão.

De início, admitindo-se, pela Lei de Segurança Nacional, maior espaço para a fixação de uma pena definitiva não superior a oito anos (eis que partindo do piso de seis), o agressor poderá, neste caso, iniciar seu cumprimento no regime semiaberto, como autoriza o art. 33, § 2º, “b”, do Código Penal, o que dificilmente ocorreria com a pena calculada a partir do mínimo de oito anos, aplicável ao enquadramento da ação delitiva como homicídio qualificado tentado e sobre a qual qualquer mínima elevação imporia o regime fechado – CP, art. 33, § 2º, “a”.

Não fosse isso, ao homicídio qualificado se aplicam as disposições da Lei de Crimes Hediondos (Lei 8.072/90), conforme expressamente previsto em seu art. 1º, I – última parte, do que resulta, a par do afastamento do regime inicial obrigatoriamente fechado pelo Supremo Tribunal Federal (HC nº 111.840/ES), a proibição à concessão de anistia, graça ou indulto e a exigência do cumprimento de, ao menos, 2/5 (dois) quintos da pena para a progressão de regime. Já para os delitos versados na Lei de Segurança Nacional, tais vedações não se fazem incidentes, vigorando, não só a possibilidade de anistia ou indulto – inclusive como previsto no art. 6º, II, da própria norma -, como a progressão de regime com o cumprimento de apenas 1/6 (um sexto) da pena. Um tratamento assaz mais benéfico ao autor do fato.

Estamos, desse modo, diante de mais um claro exemplo das distorções que a antiquada e desconexa legislação penal brasileira é capaz de produzir. Por aqui, atentar contra a vida de um presidenciável em campanha é um crime mais leve do que contra qualquer cidadão comum.

Está certo que o grau de prestígio dos políticos não anda lá muito alto, mas, esquecendo os atores e prestigiando o prisma institucional, bem assim a razão de existir da norma de regência, não deixa de ser mais uma das nossas, infelizmente, já recorrentes aberrações jurídicas, a demonstrar a necessidade de uma profunda e ampla revisão das leis penais brasileiras.

Já Conhece o Meu Clube Conservador?

Assine o Kit Virtual do Meu Clube Conservador por apenas R$ 29 mensais e tenha acesso a cursos online com emissão de certificado, eBooks e palestras.

As posições expressas em artigos por nossos colunistas, revelam, a priori, as suas próprias crenças e opiniões; e não necessariamente as opiniões e crenças do Burke Instituto Conservador. Para conhecer as nossas opiniões se atente aos editoriais e vídeos institucionais

Fabricio Rebelo

Fabricio Rebelo

Pesquisador em segurança pública em Salvador (BA). Bacharel em direito com atuação profissional no assessoramento jurídico ao Poder Judiciário e coordenador do Centro de Pesquisa em Direito e Segurança - CEPEDES. Autor de diversos artigos sobre temas jurídicos e segurança pública. Fonte para reportagens e entrevistas em variadas mídias. Palestrante, inclusive em audiências públicas na Câmara dos Deputados, e consultor externo sobre projetos de lei em tramitação. Autor da coletânea "Articulando em Segurança: Contrapontos ao Desarmamento Civil", obra em sua 2ª Edição, com o registro de seus principais textos temáticos veiculados entre 2011 e o início de 2017. Foi, por cinco anos (2010 a 2015), Coordenador Regional (NE) e Diretor da organização não governamental Movimento Viva Brasil, mais tradicional entidade defensora do direito do cidadão ao acesso às armas de fogo para autodefesa.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Comentários

Relacionados